quinta-feira, 11 de junho de 2015

A crucificação da artista transexual

Das charges e literaturas anticlericais do século XVIII à capa da revista Placar com o jogador Neymar crucificado, passando pelo "Evangelho segundo Jesus Cristo", de José Saramago, pelo filme "A última tentação de Cristo", de Martin Scorsese, e pelo Cristo negro do videoclipe de "Like a prayer", de Madonna, a produção cultural secular há tempos se apropria da iconografia e narrativas cristãs para mostrar o quanto as igrejas, ao longo desses séculos, comportam-se ora como promotoras de vida ora como máquinas de morte e sofrimento. E a laicidade dos estados modernos e democráticos de direito impediu que essas igrejas condenassem ao suplício e/ou à morte na fogueira - como o fizeram até a emergência da modernidade cultural - os artistas e intelectuais que expõem suas contradições e fraquezas em obras artísticas.

Se é assim, então por que essa celeuma toda em torno da apropriação da iconografia da crucificação de Jesus feita por uma artista transexual na Parada LGBT de São Paulo? Por que essa apropriação merece mais repúdio e "indignação" do que, por exemplo, as capas de Veja e Placar ou do que o Cristo alegórico de Joãozinho Trinta no Carnaval do Rio ou mesmo do que as esquetes do humorístico Porta dos Fundos no YouTube?

Ora, porque se trata de uma representação feita por um membro da comunidade LGBT! A celeuma - iniciada e estimulada por lideranças político-religiosas oportunistas, demagógicas e intelectualmente desonestas - tem, portanto, o objetivo claro de difamar lésbicas, gays, bissexuais e transexuais por meio da manipulação dos preconceitos anti-homossexuais históricos ainda arraigados no coração e na mente da maioria da população. Por que esses pastores e deputados-pastores e seu rebanho de ovelhas obedientes que não pensam não atacaram Neymar? Ora, pelo mesmos motivo que eles decidiram boicotar O Boticário por causa de uma campanha em favor da diversidade de relações afetivas, mas silenciaram em relação às empresas acusadas de manterem trabalhadores em situação análoga à escravidão e de crimes ambientais! Ou seja, a preocupação dessa gente não é com valores verdadeiramente morais e éticos, mas tão somente com a perseguição sistemática de uma comunidade que é estratégica em seu avanço sobre as pessoas e a política por meio da exploração comercial da fé e dos medos que rende fortunas que, de tão obscenas, já foram parar na capa da Forbes!

Essa manipulação de preconceitos por parte dessas lideranças religiosas só é possível graças à estupidez contagiosa que vem tomando conta das pessoas em suas relações sociais dentro e fora da internet e que elas, as tais lideranças, ajudaram a espalhar. Ela só é possível porque o Estado brasileiro não garantiu à maioria da população, por meio do sistema de ensino, uma educação de qualidade que não só lhe trouxesse a capacidade de pensar e ler criticamente o mundo, o que lhe permitiria se defender dos discursos enganosos e manipuladores, mas também uma ampliação do repertório cultural. Se mais de 70% da população brasileira não lê livros, como esperar que essas pessoas reconheçam e interpretem, por exemplo, a expressão artística do Teatro Oficina, com sua trilogia sobre os Mistérios Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, ou as obras iconoclastas do artista plástico argentino León Ferrari? Ou mesmo a própria iconografia cristã, que esconde sentidos que até mesmo a leitura de um best-seller como "O código Da Vinci", de Dan Brown, é capaz de apontar?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU RECADO DEMOCRÁTICO!!!

Atenção: O espacodemocratico3.blogspot.com.br não se responsabiliza por opiniões aqui expressas; pela autenticidade dos comentários e menos ainda por ilações que internautas façam em relação a outros comentários ou comentaristas. As opiniões aqui expressas não refletem, obrigatoriamente, a opinião do blog espacodemocratico3.blogspot.com.br. Este é um espaço democrático e aberto a todos que queiram manifestar suas opiniões. Comentários ofensivos ou de baixo calão serão sumariamente deletados.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES