segunda-feira, 4 de julho de 2016

Vida após a morte? A sombria história dos genes-zumbis!

Há vida após a morte? Essa é uma questão que ronda a existência humana desde tempos imemoráveis. Quando o coração e o cérebro de uma pessoa param de funcionar, e seus sistemas respiratório e circulatório não trabalham, é hora de declarar sua morte. Se o sistema está desligado, não há mais vida. Ou há? Em uma das mais arrepiantes histórias da ciência, cientistas americanos identificaram centenas de genes que se tornam ativos após a morte.

Durante a vida, muitos dos nossos genes estão sempre ativos (ou ligando-se e desligando-se) e coordenam todas as funções das células do nosso corpo. Na morte, não se sabe se os genes param de ser expressos abruptamente, ou se isso acontece de forma gradual. Tentando desvendar esse mistério, pesquisadores investigaram como a expressão de alguns genes se comporta, desde a morte até dias após ela. O estudo não foi realizado em humanos, mas em duas espécies-modelo com genéticas bem conhecidas pela ciência: camundongos e peixes-zebra.

A descoberta é incrível: cinco horas após a morte, muitos genes começam a serem transcritos! Após 24 horas, outra bateria de genes começa a funcionar. Mudanças no padrão de expressão gênica vão ocorrendo até dois dias após a morte em camundongos, e até quatro dias após a morte em peixes-zebra. Mas que genes-zumbis são esses?

Os genes encontrados são das mais diversas categorias: regulam estresse, imunidade, inflamação, câncer… Outros genes são bastante intrigantes, como os que são expressos apenas na fase em que o embrião está sendo formado. Esses genes, chamados genes de desenvolvimento, após a formação do embrião, nunca mais são expressos. Ou era o que se pensava… Eles voltam a funcionar após a morte! Por quê? Ainda não sabemos. Mas os pesquisadores acreditam que uma possível explicação seria a de que as condições celulares encontradas em cadáveres são bastante semelhantes às de embriões (horripilante, não é?).
A pesquisa é promissora, os cientistas consideram que a descoberta de que genes responsáveis pela promoção do câncer são ativos após a morte pode ajudar na ciência que envolve o transplante de órgãos. Órgãos em processo de morte começam a desenvolver câncer, e isso pode explicar o porquê de existir alta taxa de câncer em órgãos transplantados. Além disso, porque existe um padrão de expressão gênica que vai mudando ao passar das horas pós-morte, a biologia forense (ciência que estuda e tenta desvendar crimes) pode utilizar esses conhecimentos para desenvolver melhores técnicas para determinar a hora da morte de um indivíduo.

Se você é cético, talvez você esteja pensando que isso não acontece em humanos. Mas acontece: um estudo realizado em 2013 já mostrou que genes que “consertam” partes do coração passam a serem expressos 12 horas após a morte. 

É superinteressante e talvez um tanto macabro: parece que nós podemos descobrir muitas informações sobre a vida, estudando a morte!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE AQUI O SEU RECADO DEMOCRÁTICO!!!

Atenção: O espacodemocratico3.blogspot.com.br não se responsabiliza por opiniões aqui expressas; pela autenticidade dos comentários e menos ainda por ilações que internautas façam em relação a outros comentários ou comentaristas. As opiniões aqui expressas não refletem, obrigatoriamente, a opinião do blog espacodemocratico3.blogspot.com.br. Este é um espaço democrático e aberto a todos que queiram manifestar suas opiniões. Comentários ofensivos ou de baixo calão serão sumariamente deletados.

RECEBA NOSSAS ATUALIZAÇÕES